Potencial econômico local coloca Nordeste como centro de oportunidades para a distribuição de TI

O ano de 2013 fechou com 31 mil revendas de informática, segundo a 4ª Pesquisa Inédita Setorial dos Distribuidores de TI e o 3º Censo de Revendas, da Associação Brasileira dos Distribuidores de Tecnologia da Informação (ABRADISTI), encomendado junto ao IT Data, uma das principais consultorias de análise de mercado em tecnologia do país.

18/07/2014 10:39

Por Mariano Gordinho*

O ano de 2013 fechou com 31 mil revendas de informática, segundo a Pesquisa Inédita Setorial dos Distribuidores de TI e o 3º Censo de Revendas, da Associação Brasileira dos Distribuidores de Tecnologia da Informação (ABRADISTI), encomendado junto ao IT Data, uma das principais consultorias de análise de mercado em tecnologia do país.

Notamos um leve recuo de dois pontos percentuais sobre o ano de 2012, indicando que cerca de 500 revendas deixaram de fazer negócios com as 70 distribuidoras brasileiras abordadas no estudo, que juntas representam mais de 95% do mercado.

Na distribuição geográfica, 58% das revendas estão na região Sudeste, enquanto 20% estão na região Sul e 12% no Nordeste. Com 5% e 2% estão as regiões Centro-Oeste e Norte, respectivamente. Esse dado é interessante para distribuidores poderem traçar estratégias regionais, identificando oportunidades locais e buscando desenvolver regiões onde a TI ainda não é tão popular como o Sudeste.

No Nordeste, na região formada por Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Piauí, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe, é que o foco das oportunidades começa a ser traçado. Prova disso é o relatório Indicadores de Desenvolvimento Brasileiro, do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), que apontou que a renda domiciliar per capita na região Nordeste foi a que mais cresceu entre 2010 e 2011, com alta de 2,9%. Essa elevação foi 1,2 pontos percentuais acima do crescimento médio do país e 1,7 pontos percentuais à frente da região Sudeste.

 

Esses números, então, nos dão uma grande perspectiva de que, pelo menos para os próximos três anos, o Nordeste continuará crescendo e, com isso, a demanda por equipamento de tecnologia e informática também crescerão bem acima da média nacional.

 

Esse contexto do mercado representa uma grande oportunidade para os distribuidores e revendas: projetos especiais em cada região serão requisitados, e caberá a nós capacitar nossas equipes para atendê-los.  Sabendo atuar neste momento favorável, agregando valor e expertise, o Nordeste poderá se consolidar como os novos grandes centros de crescimento para o segmento de distribuição de produtos de TI nos próximos anos.

 

*Mariano Gordinho é presidente da ABRADISTI – Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos e Serviços de TI.